sábado, 8 de janeiro de 2011

Ela chegou, ela chegou!!!!


Bom diaaaaaa...
Apesar da rinite mega atacada e de estar fazendo aquele conhecido barulho de corneta, estou MUITO animada... Pois é... minha maquininha de costura chegou... Na verdade ela chegou dia 6, mas só ontem que eu consegui ligá-la e testá-la...
Eu cresci vendo a Dona Lady costurar... e me metendo e querendo aprender... Desde pequena, minha função oficial era "encher a canelinha"... se eu estava na escola, minha vó parava o trabalho e esperava eu chegar prá poder continuar... rss... ela me estragou mesmo... isso é fato!!!
Minha vózinha fazia coisas lindas... ela mesma desenhava as roupas, cortava e costurava... Não foi por acaso que durante um tempo eu quis ser estilista... enquanto ela fazia roupas prá ela e prá família toda, eu aumentava cada vez mais o invejável guarda-roupas das minhas queridas Barbies.... Desisti de ser estilista quando reconheci que era uma profissão sem futuro no Brasil... Foi quando eu resolvi, sabiamente, ser Egiptóloga... mas isso é assunto prá outro dia...
Quando cresci um pouco mais, ela finalmente me ensinou a costurar... a primeira peça que eu fiz sozinha foi meu vestido de formatura da oitava série... ela cortou e eu costurei todinho... Oradora da turma, desfilei com o maior orgulho a minha primeira confecção!!!!
Anos mais tarde, vovó sempre fazia diversos vestido novos quando minha madrinha ia visitar os netos... Mas os anos foram passando... ela tinha glaucoma e dificuldade prá enxergar... Daí minha presença insistentemente xereta, passou a ser necessária. Eu a ajudava a marcar as costuras e, principalmente, passei a ter a função de passar a linha na agulha...
Ontem, quando sentei na frente da minha máquina, senti um misto doido de felicidade e tristeza... Estava muito feliz, pois há anos quero uma máquina que funcione... Mas quando enchi a canelinha e passei a linha na agulha, uma tristeza sem fim invadiu meu peito e saiu pelos meus olhos... Desde que minha vózinha se foi eu nunca mais tinha feito isso... parece que ouvia a doce voz dela, ensinando os passos, coisa que ela sempre fazia, mesmo sabendo que eu já era expert nisso... rss... Demorei alguns minutos prá conseguir respirar e começar a costurar...
Algo que prá muitos pode parecer corriqueiro: sentar na frente de uma máquina, prepará-la e costurar, teve ontem prá mim o peso da saudade, a dor da falta que ela me faz... o peso da culpa por tantas coisas que fiz e não deveria ter feito... e a saudade... aquela sem fim... aquela que nunca nunca vai melhorar... aquele amor imenso que nunca vai diminuir...
Logo logo, onde quer que ela esteja, vai ficar muito orgulhosa das coisas lindas que vou fazer seguindo tudo que ela me ensinou...
Te amo muito, vó... saudades sem fim...
Beijos açucarados ;o)

3 comentários:

Clau Finotti disse...

Menina, que post lindo!

Me emocionei pq lembrei de muita coisa da minha própria infância. Avó e mãe costureiras. Ambas estão ainda por aqui. Mãe costura pouco mais vive inventando moda. Avó desistiu de viver, só depressiva, deitada, dá uma tristesa danada.

Mas não podemos fazer nada prá mudar isso.

Mas é isso aí, vá em frente, honre e memória da tua avó e faça coisas leeendas, afinal o show não pode parar!

Bjos e obrigada pela chance de ler esse lindo e sincero texto!

Clau

Lea Patricia disse...

ai tati assim eu nao keep up, vc posta todo santo dia!!! hahah

o saudade da vozinha viu. ai dona lady... isso mesmo amiga continua a legacy e talentosa do jeito q vc eh vai ser sucesso PURO!!!!

BJOS E MTA SAUDADE

nemacharmosa disse...

Oi Tati que linda tua máquina quero ver os mimos feitos com ela...estamos aguardando.
Beijão